Gastos de energia em Alqueva com estratégia de “ajustar as receitas aos custos”

Gastos de energia em Alqueva com estratégia de “ajustar as receitas aos custos”

O jornal Público faz menção num dos seus artigos ao sistema de rega utilizado no Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA), referindo que na distribuição dos caudais pelas 69 barragens, reservatórios e açudes, a EDIA necessita de ter energia suficiente para o funcionamento de 47 estações elevatórias que levam a água para abastecer 22 blocos de rega, numa rede primária composta por 382 quilómetros e 1620 na rede secundária.

De acordo com declarações do presidente do Conselho de Administração da EDIA, José Pedro Salema, os encargos de energia em 2022 rondam os 38 milhões de euros, um valor “bastante superior” ao do ano passado no mesmo período.

Para fazer face aos gastos despendidos com a energia, a EDIA diz que é urgente traçar uma estratégia para estes aumentos e apresentou ao Governo uma solução que não foi autorizada: subir o tarifário da água.

Apesar da resposta negativa, Salema está confiante de que vai haver uma saída para colmatar o problema, conforme adiantou à Planície. “Estamos convencidos que haverá uma decisão antes da próxima campanha. Não há outra estratégia senão esta. Ajustar as receitas aos custos, é uma questão legal, incontornável e não há como escapar a esse ajuste”. E reforçou: “Temos indicações que essa decisão chegará antes da próxima campanha, mas não quero pôr palavras na boca de outros decisores. A prerrogativa é do Governo, não é minha e quando decidirem, cá estaremos para a implementar”.

A próxima campanha referida pela direcção começa em 2023. “Funcionamos os 365 dias por ano, mas na prática só começamos a ter volumes significativos a partir de Abril. Digamos que Novembro, Dezembro, Janeiro e Fevereiro, são meses muito calmos, onde há poucos pedidos de fornecimento, onde os custos são muito baixos, quando comparados com Julho e Agosto.

Convicto que a decisão chegará atempadamente, acima de tudo o essencial é “garantir a sustentabilidade da nossa operação”, declarou Salema.
Conciliar as receitas aos custos é para a EDIA a solução para fazer face aos gastos de energia.

Redacção
ADMINISTRATOR
PROFILE