Realiza-se hoje uma greve nacional da Administração Pública

Realiza-se hoje uma greve nacional da Administração Pública

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública realiza hoje uma greve nacional, para exigir ao Governo que, altere a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

Para os sindicalistas, a proposta de OE2022 “não dá resposta aos problemas dos trabalhadores” e o aumento salarial de 0,9% previsto no documento não é suficiente.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) associa-se à greve da Administração Pública marcada para hoje, porque, “tendo em conta os objectivos da greve, razões não faltam aos enfermeiros para se juntarem a toda a administração pública” porque as “reivindicações são comuns”.

Celso Silva do SEP, disse à Planície que “o Sindicato, vai juntar-se à greve, porque há um conjunto de situações que o governo não dá resposta, desde a inadmissível proposta de aumento salarial, que sabemos ser de 0,9%”.

O sindicalista sublinha que “apesar do contexto político estar como está, o Governo tem condições para decidir aumentos salariais diferentes, tanto que tem, que nós exigimos que haja uma valorização dos trabalhadores da Administração Pública, enfermeiros e outros”.

Para os sindicalistas a proposta de actualização salarial, 0,9% = 0,40€/dia, não responde à necessidade de recuperar o poder de compra perdido ao longo de 13 anos! Assim exigem ao Governo entre outras situações o aumento de 90 Euros e actualização do subsídio de refeição para 7,50 Euros; o descongelamento das promoções e das progressões e a reposição dos 25 dias de férias e respectivas majorações.

Por seu lado, também a FENPROF se vai juntar à greve de hoje, com o slogan “Respeitar os Professores; valorizar a profissão docente; desbloquear a negociação; defender a Escola Pública”.

Redacção
ADMINISTRATOR
PROFILE