Ferrovia – A necessidade de modernização da Linha do Alentejo

Ferrovia – A necessidade de modernização da Linha do Alentejo

O Grupo Parlamentar do PS entregou na Assembleia da República dois projectos de resolução em que recomenda ao Governo que sejam feitos investimentos na ferrovia, designadamente, na modernização da Linha do Norte, entre Santarém e o Entroncamento, e na conclusão da modernização da Linha do Alentejo.

No que diz respeito ao Baixo Alentejo, o documento que recomenda ao Governo, a modernização da Linha do Alentejo, refere que os deputados do PS eleitos pelo distrito de Beja, Pedro do Carmo e Telma Guerreiro, pretendem que a conclusão da sua electrificação seja incluída no Plano Ferroviário Nacional e que seja ainda assegurado “um serviço de passageiros que promova a coesão e reduza o isolamento dos concelhos do Alentejo”.

Os parlamentares recomendam ainda que o Governo “estude a viabilidade e o trajecto da ligação ferroviária ao Aeroporto de Beja”.

Pedro do Carmo referiu à Planície que em relação aos projectos os dois deputados de Beja do Partido Socialista, juntaram-se com os restantes parlamentares do partido “para apresentar esses projectos de resolução para, no fundo reforçar e aproveitar a prioridade que está a ser estabelecida no investimento da ferrovia com todos os apoios comunitários”, acrescentando que “quer seja no Plano de Resiliência, quer seja nos Quadros Comunitários que se advinham.

E acrescenta “todos esses investimentos tem que, naturalmente, considerar a região do Alentejo e nós deixamos ficar a nossa região para trás”.

O parlamentar adianta ainda que “agora está certo e confirmado o investimento da electrificação da linha Beja/Casa Branca, que é vital para o desenvolvimento da região. Consideramos que é importante não ficar por aí ou seja, é necessário também estabelecer a ligação ferroviária ao aeroporto para traduzir-se no seu desenvolvimento. Para além disso a ligação de Beja/Funcheira, que permite a ligação ao Algarve que é também vital para o desenvolvimento da ferrovia e naturalmente outros investimentos que venham a ser considerados nesta região como seja a utilização de alguns ramais desactivados para fins turísticos”.

O documento refere ainda que “ao longo dos anos vários foram os projectos que ligaram diversos pontos do Alentejo através da ferrovia e, assim, surgiram as Linhas do Leste, do Alentejo, de Évora, do Sul, de Sines, e os ramais de Moura, de Neves Corvo, de Mora, de Reguengos, de Cáceres, de Montemor, de Vila Viçosa, de Aljustrel, de Portalegre”. No seu auge, a rede ferroviária servia 31 dos 43 concelhos dos distritos de Beja, Évora e Portalegre. Hoje os serviços de passageiros apenas servem 15 concelhos.

Avatar
Redacção
ADMINISTRATOR
PROFILE