MASJID

Em 1999 era literalmente impossível andar a pé nos curtos 200 metros que separam a mesquita Ketchaoua da grande mesquita de Argel. As medidas de segurança eram pesadas e nem pensar em frequentar antros de integristas islâmicos. Chateado e frustrado, não pude então visitar qualquer dos espaços religiosos da cidade. Pensei “nunca mais”. Não regressaria à Argélia e não visitaria nenhuma das mesquitas que queria ver. O destino troca-nos as voltas. Há sítios onde pensamos não mais regressar e que depois voltam a fazer parte do nosso percurso. Com Argel, foi assim. Cinco anos volvidos estava de volta à cidade. A guerra esfumara-se, o projeto de estudo da arte islâmica que, a partir de Portugal, coordenava estava no bom caminho e era preciso regressar a Argel. A cidade mudara radicalmente e circulava-se com calma. Depois de um par de voltas pelo exterior da mesquita principal, um intrigado Boussad inquiriu-me “mas queres entrar?”. Surpreso, perguntei se era possível. Estava convencido que vigoravam os princípios de “exclusão” praticados em Marrocos. Nem pensar. Podia visitar tudo, em total liberdade. No Oriente, a prática era essa – a grande mesquita dos omeias, em Damasco, é um grande local de encontro comunitário – mas não tinha a certeza que assim fosse noutros locais. A minha entrada na sala de orações não despertou mais que uma vaga curiosidade. Um dos orantes, divertido e pouco concentrado, fazia-me adeus com as duas mãos, enquanto eu disparava a máquina fotográfica. Tinha a certeza que o espaço não seria tão multicultural como o de damasco, onde o mausoléu de S. João Batista é local de oração de muçulmanos e de cirstãos, mas também não pensei que o ambiente fosse de tão completa “nonchalance”. Nos anos seguintes, várias vezes retornei à Argélia. Recordo a impressiva visita ao mausoléu de Sidi Boumedienne, assim como a entrada no ambiente de tenso fervor de Sidi Ramdane (um senhora muito idosa chegou-se ao pé de mim e segredou-me “transmita os nossos melhores votos às pessoas da sua terra”, para depois se afastar e continuar a rezar). Ou ainda, o insólito passeio por uma deserta e gigantesca mesquita de Tlemcen, acompanhado por um desnecessário segurança. Que resolveu rezar e deixou a pistola cair no chão, espalhando balas pelo solo… Ao longo dos anos, fui recolhendo elementos e dados em mesquitas em terras tão diferentes como o Mali, Marrocos, a Tunísia, o Egito, a Turquia, a Síria, Gibraltar, Portugal ou Espanha. Com várias limitações, ora técnicas, ora de aceso a determinados lugares, ora de aperto de tempo. Ao redigir o capítulo seis, sobre espaços religiosos e funerários, de um livro em produção, achei que era altura pra retomar o tema para um trabalho autónomo. Mesquita / Masjid estará pronto dentro de uns tempos. Regresso, lenta mas firmemente, ao Mediterrâneo. Cada vez como menos certezas quanto aos sítios que irão fazer parte do percurso futuro. PS: Tinha pensado fazer a crónica sobre o Convento do Carmo. Não vale a pena, para já. Cada coisa a seu tempo. A verdade triunfará. Faço apenas votos que o processo de reabilitação seja coroado de sucesso.

Leave a Comment

You must be logged in to post a comment.